Guia completo: como é morar em São Leopoldo (RS)?

Compartilhar a notícia

São Leopoldo, no Rio Grande do Sul, é uma cidade com muita história. Conheça detalhes para comprar sua casa no Berço da Colonização Alemã.

02 de março de 2024

Autor Time Loft
Atualizado: 08 de fevereiro de 2024 18 min de leitura
Guia completo_ como é morar em São Leopoldo (RS)

A cidade de São Leopoldo é uma opção atrativa para pessoas que desejam comprar um imóvel para aproveitar as comodidades de uma região metropolitana associadas à qualidade de vida. O local oferece a tranquilidade típica do seu porte e as vantagens da proximidade com a capital gaúcha.

Além disso, o município é recheado de história. Por exemplo, a imigração alemã teve forte impacto sobre o desenvolvimento da região, contribuindo para a formação da identidade local, para a sua economia, entre outros aspectos. 

Que tal você conhecer mais sobre São Leopoldo, no Rio Grande do Sul? Acompanhe a leitura e confira!

Conhecendo o município 

São Leopoldo está localizado a cerca de 34 km de Porto Alegre, integrando sua região metropolitana. Ele faz divisa com os municípios de Sapucaia do Sul, Esteio, Novo Hamburgo, Portão e Ivoti. Assim, a cidade tem posição estratégica entre a capital do Rio Grande do Sul e a serra gaúcha.

De acordo com o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2022, o local contava com uma população de aproximadamente 217 mil habitantes. Logo, ele estava na lista dos lugares mais populosos do RS. 

História de São Leopoldo

A localização privilegiada de São Leopoldo é um atrativo para quem deseja encontrar um imóvel na cidade, concorda? Mas para conhecer mais sobre ela, é hora de você entender como se deu o surgimento do município gaúcho. 

São Leopoldo tem a sua origem na antiga colônia alemã. Porém, antes mesmo da chegada dos europeus, a região era habitada pelos índios Kaigangs e Carijós. A sua formação como cidade remonta ao século XVIII, quando a coroa portuguesa criou fazendas estatais com o objetivo de colonizar a localidade. 

Em 1824, o Governo Imperial do Brasil incentivou a entrada de pessoas da Alemanha para o país. No dia 25 de julho do mesmo ano, 39 imigrantes chegaram à Feitoria do Linho Cânhamo (conhecida apenas como Feitoria), marcando a fundação do que viria a ser o município. 

A comunidade de alemães se estendia por mais de mil quilômetros quadrados na região. A sua extensão partia de Esteio, indo até Caxias do Sul, e ia de Taquara até o Porto dos Guimarães, no rio Caí.

A chegada dos imigrantes europeus contribuiu fortemente para o desenvolvimento local, atuando em diversas profissões, como sapateiros, alfaiates, carpinteiros e ferreiros. Em 1846, São Leopoldo finalmente se tornou uma vila, após a sua emancipação de Porto Alegre.

A partir de então, a região continuou o seu crescimento e teve eventos notáveis ao longo de sua jornada. Entre eles, podem ser mencionados: 

  • visita de D. Pedro II, em 1865; 
  • construção da ponte sobre o Rio dos Sinos, em 1873; 
  • inauguração da primeira linha férrea da província em 1874, ligando Porto Alegre a São Leopoldo.

A influência germânica marcou a arquitetura, religião, educação, tradições, costumes e gastronomia de São Leopoldo. Devido ao histórico, o município recebeu o título de “Berço da Colonização Alemã no Brasil”, com a Lei 12.394/2011

Anúncios

Os principais bairros da cidade

Agora que você conhece detalhes sobre a origem de São Leopoldo, vale a pena descobrir como o município se encontra na atualidade, certo? Os principais bairros da cidade gaúcha apresentam características distintas, e certamente um deles atende às suas necessidades e desejos.

Veja!

Centro

A região central de São Leopoldo é cercada por diversos prédios, casas e empresas. Os quarteirões são uma mistura de edificações e de elementos da natureza, podendo oferecer uma boa experiência de moradia.

Morro do Espelho

A localidade conhecida como Morro do Espelho fica a poucos quilômetros do Centro do município. Com muito verde, condomínios e residências, o lugar oferece praticidade e fácil acesso a outros bairros.

Feitoria

Quem busca a conveniência de viver em um local com infraestrutura completa encontra uma opção a ser analisada na Feitoria. O bairro histórico reúne serviços e comércio essenciais à rotina das famílias, facilitando o seu dia a dia.

Scharlau

O bairro fica no caminho entre São Leopoldo e a cidade vizinha, Novo Hamburgo. Desse modo, Scharlau é uma alternativa para pessoas que desejam relativa proximidade entre os dois municípios gaúchos.

Cristo Rei

Conhecido especialmente pelo campus da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), o lugar reúne diversas empresas e organizações. Além disso, o Lago dos Padres dá um toque especial ao bairro leopoldense.

Jardim América

A área fica situada a poucos quilômetros do Centro de São Leopoldo. No Jardim América, há praças, lojas, prestadores de serviço, condomínios e casas que disponibilizam uma estrutura completa para os moradores.

São José

A mistura de natureza, atrativos de lazer, grandes comércios e variadas residências marcam o bairro. Bem perto da região central do município, São José se torna uma opção atrativa para muitas pessoas.

Rio Branco

Esse lugar tem uma extensão territorial maior do que a média dos outros bairros da cidade. Então, em Rio Branco, é possível encontrar grande diversidade de conveniências para moradores, como escolas, supermercados e restaurantes.

Campestre

Essa é mais uma localidade que apresenta grande território em São Leopoldo. Condomínios e casas se misturam a campos verdes, plantações, lagos e demais atrações para quem vive ou visita a região de Campestre.

Santo André

Por fim, o bairro Santo André é outra opção para quem gostaria de comprar ou alugar um imóvel na cidade gaúcha. O lugar é predominantemente residencial, mas também conta com comércios e serviços que atendem aos moradores. 

Qualidade de vida e infraestrutura

A escolha do bairro para morar em São Leopoldo pode ser decisiva para a sua qualidade de vida, concorda? No caso dessa cidade, é válido saber que a infraestrutura, em geral, contribui para o bem-estar da população.

Confira, a seguir, elementos importantes para a qualidade de vida do morador leopoldense!

Educação

O município oferece um ambiente educacional diversificado. Segundo o IBGE, existem 69 escolas de ensino fundamental e 24 unidades de ensino médio em São Leopoldo. A Escola de Educação Infantil Cajuzinho, o Colégio São Luís e o Colégio Sinodal são exemplos.

Destaca-se o campus da Unisinos, que abrange uma área superior a 90 hectares. Ele disponibiliza aos alunos uma robusta infraestrutura, incluindo mais de 400 salas de aula e laboratórios para pesquisa e experimentação.

A universidade conta, ainda, com uma das maiores bibliotecas universitárias da América Latina. O seu acervo tem cerca de 220 mil títulos e 700 mil itens. Além disso, a Universidade do Vale do Rio dos Sinos oferece: 

  • espaços para a realização de feiras e congressos;
  • anfiteatro com capacidade para mais de 700 pessoas;
  • 14 auditórios;
  • sala de videoconferência;
  • duas salas de seminários. 

A Unisinos também disponibiliza serviços por meio de parcerias. Entre elas, estão mais de 50 lojas, seis agências bancárias, uma agência dos Correios e estacionamentos para aproximadamente 4 mil veículos em suas dependências.

Saúde

A qualidade de vida em São Leopoldo está relacionada à área da saúde, com iniciativas que promovem o bem-estar da população. Para a prefeitura, a introdução do curso de medicina na Unisinos, em 2017, abriu novas perspectivas de desenvolvimento para o município nesse segmento.

Outro exemplo é a constituição de um cluster em parceria entre o poder público, universidades e o setor privado. A colaboração tem o propósito de atrair empresas de alta tecnologia voltadas para o desenvolvimento de equipamentos e soluções inovadoras na saúde. 

A variedade no atendimento em São Leopoldo é outro aspecto que precisa ser observado por novos moradores. Nesse sentido, a empresa CCG Saúde, as Clínicas Valiere e a Fundação Hospital Centenário estão entre os estabelecimentos que oferecem serviços e assistência à saúde.

Segurança

Os índices de criminalidade no município gaúcho demonstraram uma redução significativa nos crimes, de acordo com a Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Isso foi possível graças ao trabalho conjunto de órgãos de segurança pública do estado e do município.

Os dados do Sistema GESeg (Gestão de Estatística em Segurança) revelam uma diminuição histórica nas infrações. Comparando julho de 2022 com julho de 2023, por exemplo, houve quedas em diversas categorias criminais, como:

  • roubo a pedestres: de 101 para 53 ocorrências;
  • roubos de veículos: de 17 para 8 casos;
  • roubos a estabelecimentos comerciais e de ensino: de 6 para 4 ocorrências;
  • furto de veículo: de 39 para 24 casos;
  • furto por arrombamento: de 50 para 20 ocorrências.

A redução está relacionada a fatores como prisões pontuais e desarticulações de grupos criminosos, além da mencionada parceria entre as instituições. A inteligência policial também é relevante para a análise de dados, visando a identificação de padrões criminais e previsão de ocorrências. 

Dessa forma, a alocação mais eficiente de recursos e uma resposta rápida a situações de risco foram facilitadas. Ademais, a comunidade tem sido fundamental na promoção da segurança, com iniciativas como o policiamento comunitário, a Patrulha Escolar, a Patrulha Maria da Penha.

Há ainda projetos sociais focados na prevenção da criminalidade promovidos na cidade. Assim, eles têm grande relevância para a proteção da comunidade. 

Mobilidade urbana

Outro ponto relacionado à qualidade de vida em São Leopoldo é a mobilidade urbana. A cidade fica próxima à capital, como visto, o que facilita o deslocamento entre ela e Porto Alegre. 

Moradores e visitantes têm ampla oferta de meios de transporte para a viagem entre os municípios da região metropolitana. Para chegar à sede do Rio Grande do Sul, por exemplo, existe ligação direta por via rodoviária e metroviária.

São Leopoldo também disponibiliza diversas linhas de ônibus e de metrô à população. O sistema é essencial para a mobilidade dos cidadãos, garantindo o acesso a variadas partes da cidade e proporcionando alternativas de locomoção.

O que tem para fazer em São Leopoldo 

Você percebeu que São Leopoldo oferece uma infraestrutura adequada à sua população. Mas esse não é o único aspecto a se considerar ao escolher uma cidade com qualidade de vida para morar, concorda? 

Então confira os atrativos culturais e de lazer em São Leopoldo!

Museu do Trem

Esse é um local que preserva a rica história ferroviária do Rio Grande do Sul. O Museu do Trem foi fundado em 1985 e colabora para a preservação e celebração da herança do meio de transporte que foi bastante utilizado na região Sul do Brasil.

A origem do museu é de 1874, quando a primeira estação ferroviária do estado foi inaugurada em São Leopoldo, marcando o início da ferrovia gaúcha. Ela foi fundamental para o desenvolvimento da área, impulsionando a colonização alemã e a expansão da rede até Canela, em 1922.

O Museu do Trem preserva essa história, abrigando parte do acervo da extinta Viação Férrea do Rio Grande do Sul (VFRGS) e Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (RFFSA). O lugar mantém viva a memória da época das locomotivas a vapor, dos trilhos de ferro que cortavam a paisagem e da importância do transporte ferroviário para o estado e para o país.

Casa do Imigrante

Outro ponto de interesse para os amantes de história é a Casa do Imigrante, que simboliza a comunidade alemã no Rio Grande do Sul. Ela foi construída em 1788, na Feitoria do Linho Cânhamo — a fazenda que cultivava plantas usadas na fabricação de cordas para navios à vela. 

Em 1824, o local testemunhou um marco relevante para o estado. Nele, houve a realização do primeiro culto evangélico no Rio Grande do Sul. 

Nos anos 1940, a prefeitura adquiriu o prédio e contratou o arquiteto Theo Wiederspahn para restaurá-lo, incorporando traços germânicos e o estilo enxaimel. Décadas depois, em 1992, a edificação foi tombada como patrimônio histórico.

Em 1984, a Casa do Imigrante foi transformada em um museu. Assim, ela promove exposições temáticas que retratam a vida dos imigrantes quando chegaram ao estado. Os cômodos exibem móveis, utensílios e vestuário da época, incluindo cozinha colonial, quarto de alfaiate e oficinas.

Devido a problemas estruturais, a visitação interna está suspensa desde 2014. Projetos de restauração para o local foram aprovados e estavam em andamento em 2023. Enquanto eles são finalizados, ainda é possível admirar a parte externa da Casa do Imigrante para conhecer a história regional.

Casa Matriz de Diaconisas

A Casa Matriz de Diaconisas foi inaugurada em 1939, em São Leopoldo. A irmandade, ligada à Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, surgiu em um período de grande carência de profissionais na área da saúde e educação infantil no Brasil.

Na época, mulheres com vocação para diaconisas buscavam formação profissional e espiritual na instituição. Desse modo, o local desempenha um papel de destaque na comunidade, com foco em dois setores de trabalho, sendo um deles mais voltado a eventos.

O primeiro é o Lar Moriá, uma instituição para idosos criada em 1956. Com o aumento da demanda por serviços para essa parcela da população, a Casa Matriz expandiu as suas instalações, e consegue abrigar até 70 pessoas. 

O Lar Moriá oferece residência permanente, temporária e recuperação hospitalar a quem tem mais de 60 anos. Entre os serviços oferecidos, estão acompanhamento médico, atividades recreativas e culturais, além de apoio espiritual e assistência de enfermagem.

Já o segundo setor trabalhado pela irmandade é o Centro de Retiros, Hospedagem e Eventos. O espaço é ideal para reuniões, cursos e retiros, contendo 24 quartos, 54 leitos, auditório para aproximadamente 150 pessoas, entre outras soluções.

Por todo o seu trabalho e devido ao ambiente acolhedor de sua hospedagem, a Casa Matriz de Diaconisas é mais um atrativo para quem visita ou mora em São Leopoldo.

Parque municipal

Aqueles que gostam de um contato mais próximo com a natureza se identificarão com o parque municipal. Ele foi fundado em 8 de dezembro de 2006, sendo dividido em partes distintas.

A primeira, conhecida como Parque Natural Municipal Banhado da Imperatriz, abrange uma área de 694 hectares e é uma unidade de conservação integral. Nela, a intervenção humana é mínima, visando a preservação da flora, da fauna e dos processos ecológicos. 

O parque é composto por áreas de preservação permanente (APP) e oferece trilhas que permitem aos visitantes a descoberta da riqueza natural da região. Um dos percursos, com cerca de 1.300 metros de extensão, é de baixa dificuldade e pode ser percorrido mediante agendamento prévio. 

Ao longo do caminho, os visitantes podem conhecer a flora e a fauna do ecossistema local, incluindo árvores como ingazeiros, caliandras e taquaruçu. Animais como ouriços-cacheiros, mão-pelada, lontras, graxains e uma variedade de aves também podem ser observados.

A outra parte do parque, chamada de Jardim Botânico — Parque Imperatriz, abrange 14 hectares e é a área mais frequentada pelos visitantes. Nesse espaço, você encontrará a administração do lugar, o Jardim Botânico, o Viveiro Municipal, assim como áreas de lazer e recreação. 

O parque oferece 15 churrasqueiras, duas canchas de bocha, duas quadras de vôlei, uma quadra de futebol, uma pracinha infantil e banheiros para o conforto dos frequentadores. Para usar as instalações, é necessário reserva antecipada, ok?

Centro Municipal de Eventos

Outro atrativo de São Leopoldo é o Centro Municipal de Eventos, um espaço versátil e multifuncional. Adquirido pela prefeitura em 2012, ele conta com um tamanho aproximado de 4,5 hectares e uma impressionante área construída de 7.500 metros quadrados.

O centro oferece uma variedade de instalações e comodidades para atender aos diversos tipos de eventos. Entre as suas instalações, estão:

  • quadra poliesportiva com arquibancada;
  • piscina térmica;
  • quadras de padel;
  • salas para reuniões e pequenas palestras;
  • áreas de convivência;
  • espaços destinados à prática de ginástica laboral, pilates e lutas;
  • banheiros e vestiários equipados;
  • estacionamento interno.

Uma das vantagens do Centro Municipal de Eventos é a sua capacidade de acomodar até 2 mil pessoas sentadas. Dessa forma, ele é o local ideal para sediar diversos eventos. 

Exemplo disso é a São Leopoldo Fest, uma das maiores festas culturais da região. O evento atrai visitantes de variados lugares em busca de entretenimento, música, gastronomia e diversão.

Igreja do Relógio

A Igreja do Relógio é mais uma atração para quem aprecia a história local. De orientação luterana, ela é um marco em São Leopoldo, com a sua origem remontando aos imigrantes alemães que chegaram à região. 

Nos primeiros grupos de pessoas de fora do país, apenas cinco delas eram católicas. As demais 34 eram luteranas. 

Na época, a Constituição do Império estabelecia a Igreja Católica como a religião oficial do Estado. Logo, outras práticas religiosas só eram permitidas se fossem realizadas em casa, sem a construção de templos com elementos exteriores, como torres, sinos ou cruzes, que lembrassem uma igreja. 

Diante dessa restrição, os imigrantes luteranos construíram escolas que serviam como locais de culto. Um exemplo desse esforço foi a abertura do Colégio Rio Branco em 1826, que abrigava uma casa de oração.

Após a Proclamação da República, que estabeleceu o Estado laico e a liberdade religiosa, as obras da Igreja do Relógio (atual Igreja Evangélica de Confissão Luterana) tiveram início em 1904. A construção se deu no mesmo local do Colégio Rio Branco, e a sua inauguração foi em 1911. 

Assim, a Igreja do Relógio não é apenas um local de culto, mas também um marco que reflete a história e a perseverança dos imigrantes luteranos. O seu esforço de manutenção das origens religiosas foi importante para a cidade de São Leopoldo.

Economia local

Entender o que move a economia de uma cidade é outro ponto crucial a ser considerado antes da sua decisão, certo? Para começar, saiba que São Leopoldo apresentou um Produto Interno Bruto (PIB) per capita superior a R$ 42 mil em 2020, segundo IBGE. 

Além disso, ela teve um Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) de 0,739 em 2010, mantendo-se na média nacional. A economia do município gaúcho é fortemente impulsionada por sua vocação industrial e tecnológica.

Ele abriga empresas em setores variados, incluindo o metal-mecânico, químico, têxtil, calçadista e de serviços. São Leopoldo ainda tem um dos maiores, mais diversificados e modernos parques tecnológicos do país, de acordo com informações da prefeitura — característica fundamental para o estímulo à inovação e ao desenvolvimento da região.

O seu polo industrial se destaca pela produção diversificada. Entre os itens, estão motosserras, ferramentas, armas, autopeças, equipamentos agrícolas e cinematográficos, bombas hidráulicas e elevadores, borracha, celulose e cordoaria. 

Empresas de relevância local, nacional e internacional têm se estabelecido na cidade, contribuindo para o dinamismo econômico e a geração de empregos ao longo das décadas. Nomes como Delga, BVSP e Jeftech podem ser encontrados na área.

Como você conferiu, São Leopoldo é uma cidade próxima à capital gaúcha, e que manteve a sua história e qualidade de vida. Educação, segurança e diversos atrativos culturais podem ser desfrutados por moradores e visitantes do município do Rio Grande do Sul.

Você tem interesse em comprar um imóvel na região e desfrutar de todas essas características? Então confira as opções disponíveis na Loft!

Bateu aquela dúvida na matéria que você leu? Deixe nos comentários que o Time Loft responde!

Tags

Deixe seu comentário

Veja também

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.