Entenda quais são os riscos de fazer um contrato de gaveta ao negociar um imóvel

Compartilhar a notícia

26 de fevereiro de 2021

Autor Time Loft
Atualizado: 24 de junho de 2022 7 min de leitura
contrato-de-gaveta

Embora seja uma prática comum, realizar um contrato de gaveta ao comprar ou vender um imóvel tem diversos riscos; veja como se prevenir para fazer uma negociação segura

A negociação de um imóvel deve seguir algumas etapas, sendo boa parte delas relacionadas a documentação. O contrato de compra e venda, por exemplo, aparece tanto em negócios que envolvem ajuda de um corretor ou imobiliária, quanto em acordos direto entre proprietário e comprador. 

Neste último caso, ainda é comum no Brasil que se registre a negociação através de um contrato de gaveta. Esse trâmite, porém, quando feito sem total atenção e cuidado, se torna um processo muito arriscado para ambas as partes. 

Preparamos este artigo para explicar o que é contrato de gaveta, como funciona esse documento e quais são os riscos de fechar negócio direto com o proprietário. Assim, você pode se preparar caso surja uma oportunidade de negociação nesses termos.

O que é contrato de gaveta?

O contrato de gaveta se dá quando a negociação de um imóvel é feita diretamente entre proprietário e comprador, sem que seja feita qualquer outra documentação oficial. Esse tipo de contrato começou a se popularizar no Brasil na década de 1980, quando houve restrições na concessão de crédito imobiliário e ficou muito caro comprar um imóvel pelas vias tradicionais, como financiamento bancário. 

Assim, compradores e vendedores passaram a documentar o negócio através do contrato de gaveta, sem registro em instituições financeiras ou em cartório. O comprador tinha o valor de entrada, mas não conseguia crédito para o restante. O vendedor, então, combinava como seria o pagamento e isso era registrado em um contrato entre eles.

Como funciona contrato de gaveta

Para entender como funciona o contrato de gaveta, é importante ter sempre em mente de que se trata de um instrumento particular, feito apenas entre duas partes: vendedor e comprador. E por que é apenas um instrumento particular? Sem o conhecimento público sobre o contrato, como cartórios e bancos, o documento vale apenas entre as partes envolvidas.

Mas como fazer um contrato de gaveta de imóvel e para que ele serve atualmente? Para ter mais segurança na negociação, o contrato de gaveta pode ser utilizado como uma primeira etapa da transição do bem, como um contrato de compra e venda. Nele devem constar todas as características do imóvel, assim como detalhes sobre pagamento, entrega de chaves e sobre quando será feita a mudança de titularidade.

Saiba mais sobre como funciona contrato de gaveta

É importante olhar para esse tipo de contrato como apenas uma das etapas, pois, como o nome sugere, o contrato de gaveta é algo feito para ficar guardado na gaveta de casa. O documento não tem validade em relação à propriedade de um imóvel, como a escritura pública e o registro no cartório.

No entanto, o contrato entre vendedor e comprador ainda é bastante difundido no Brasil, em geral devido a dificuldades em conseguir financiamento imobiliário por estar com o nome atrelado a serviços de proteção ao crédito (SPC) ou não conseguir comprovar renda. Apesar de popular, o contrato de gaveta reúne muitos riscos, como detalhamos a seguir.

Qual o risco do contrato de gaveta?

Agora que já sabe o que é contrato de gaveta, é fundamental compreender quais são os riscos. De forma direta, há muito mais do que um risco em transações desse tipo, e é preciso atenção total caso deseje fechar negócio em um imóvel nesses termos.

Principais riscos para o comprador:

1) O vendedor pode agir de má fé e vender duas vezes o mesmo imóvel;

2) O verdadeiro proprietário do imóvel ser outra pessoa, e não o vendedor com quem você fechou o contrato de gaveta;

3) O vendedor pode deixar dívidas atreladas ao imóvel, como IPTU e condomínio em atraso;

4) Sem nome na escritura, o comprador não pode usar o imóvel como garantia em empréstimos ou ser fiador em aluguel;

5) Ao final do pagamento, o vendedor não passar o imóvel para o nome do comprador por meio da escritura pública;

6) O vendedor falecer durante o financiamento particular e o comprador ficar com o imóvel preso a um processo de inventário dos herdeiros.

Principais riscos para o vendedor:

1) Da mesma forma, o comprador pode fazer dívidas relacionadas ao imóvel e, se o nome do vendedor ainda consta na escritura, é ele quem será obrigado por lei a arcar com os valores;

2) O comprador deixar de pagar o financiamento particular acordado no contrato de gaveta.

Para evitar a venda dupla ou tripla do bem, é necessário fazer uma averbação na matrícula do imóvel em cartório. Nos outros casos, se não houver acordo amigável entre as partes, pode ser necessário acionar a Justiça.

Saiba como anular um contrato de gaveta e como regularizar contrato de gaveta

Primeiro, a boa notícia é que há como regularizar contrato de gaveta. Se o contrato foi redigido de forma completa, lá irão constar o modo de pagamento, valor das parcelas e, ao fim do financiamento particular, como será feita a mudança de titularidade do imóvel.

Transferir o imóvel do nome do vendedor para o nome do comprador é fundamental para regularizar a situação do bem. Isso acontece através da escritura pública de compra e venda, que é um ato obrigatório para a transferência de imóveis negociados a partir de 30 salários mínimos. Com a escritura pública em mãos, faça o registro da transação na matrícula do imóvel.

E o que acontece com descumprimento de contrato de gaveta? Há como anular um contrato de gaveta? Atualmente, a jurisprudência já consegue solucionar casos em que as partes não estão mais de acordo com o contrato de gaveta. Por exemplo, se o comprador quer anular o contrato e o vendedor não concorda, será preciso entrar na Justiça para resolver a questão.

Compre e venda com segurança e auxílio jurídico na Loft

Negociar um imóvel por conta própria é trabalhoso e que pode gerar muita dor de cabeça. Os problemas mais comuns enfrentados por compradores e vendedores que se arriscam sozinhos são não ter comprovação da idoneidade da outra parte, não saber que documentação é necessária e sofrer as consequências de falsificação de certidões.

Com o auxílio de um corretor de imóveis e de um time jurídico, a transação se torna segura, pois esses profissionais possuem conhecimento sobre os procedimentos legais que envolvem a compra e venda. A Loft conta com uma equipe jurídica interna dedicada a reunir todos os documentos do imóvel e das partes envolvidas, assim como a redigir os contratos, para que não haja pontas soltas ou surpresas desagradáveis no negócio.

Saiba mais sobre os apartamentos à venda no site da Loft e realize seu próximo negócio imobiliário em total segurança.

Bateu aquela dúvida na matéria que você leu? Deixe nos comentários que o Time Loft responde! Caso necessite de mais informações sobre a Loft ou sobre parcerias, entre em contato pelo e-mail imprensa@loft.com.br que responderemos você rapidinho.

Veja também

Comunicados

05 de julho de 2022

Grupo Loft reorganiza sua operação

bancada-varanda-gourmet-luminaria

Morar com estilo

05 de julho de 2022

Decoração de varanda: aprenda 7 ideias de inspiração

Fachada da estação Faria Lima, uma das 11 da linha amarela do metrô

Mercado imobiliário

04 de julho de 2022

Proximidade com metrô valoriza imóveis em São Paulo

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.