Entenda a importância do IBGE para o mercado imobiliário!

Compartilhar a notícia

Você sabe o que é IBGE, qual é a sua história e como funciona o Censo? Entenda a importância desse órgão para o mercado imobiliário!

06 de fevereiro de 2024

Autor Time Loft
Atualizado: 06 de fevereiro de 2024 12 min de leitura
Entenda a importância do IBGE para o mercado imobiliário!

Por meio de suas extensas pesquisas e publicações de dados, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) se tornou referência no Brasil. Como resultado, as suas análises têm um impacto direto em diversas áreas da gestão privada e pública, incluindo o mercado imobiliário.

Portanto, quem se interessa pelo setor precisa conhecer as principais informações do Censo e sua importância para esse tipo de mercado. Com isso, é possível saber como atender melhor às demandas de moradia da população e antecipar tendências para os próximos anos.

Você ficou curioso com o assunto? Então continue a leitura e descubra qual é a importância do IBGE para o mercado imobiliário!

O que é IBGE?

O IBGE é um órgão estatal fundamental no Brasil. O seu principal objetivo é coletar, analisar e disponibilizar informações sobre a realidade geográfica, demográfica e econômica do país. Para tanto, ele realiza censos — pesquisas abrangentes que coletam dados de todo o território nacional. 

O Censo Demográfico é uma das atividades mais reconhecidas do IBGE, pois tem como finalidade traçar o perfil da população brasileira. Por meio dele, são obtidas informações fundamentais, como a contagem de habitantes, a expectativa de vida e outras características demográficas. 

Esses dados são importantes para políticas públicas, planejamento urbano e até mesmo investimentos públicos e privados. Eles fornecem informações sobre o crescimento da população, a densidade das cidades e as tendências de crescimento no futuro. 

Como resultado, o IBGE desempenha um papel essencial ao fornecer informações de alta qualidade para instituições públicas e privadas. Dessa maneira, ele contribui para a tomada de decisões sobre o desenvolvimento do Brasil. 

Logo, as suas pesquisas e análises são necessárias para compreender a dinâmica do país e orientar políticas e estratégias. Consequentemente, essas ações têm o potencial de melhorar a qualidade de vida da população. 

Qual é a história do IBGE?

Agora que você já sabe o que é o IBGE, chegou o momento de entender qual é a sua origem. Ela está na Diretoria Geral de Estatística, criada em 1871. Esse foi o primeiro órgão dedicado de forma exclusiva às atividades estatísticas no país. 

Com a transição para a República, foi necessário expandir essas atividades, principalmente com a implementação do registro civil de nascimentos, casamentos e óbitos. Até 1934, o órgão encarregado delas no Brasil passou por diversas mudanças de nome e funções. 

Contudo, a unificação do sistema de coleta de informações estatísticas só se tornou uma necessidade no início da década de 1930. Na época, o Departamento Nacional de Estatística (DNE) estava a cargo dos dados.

Foi durante o período que uma comissão interministerial apresentou um projeto para a criação do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Decreto-Lei 24.609, promulgado em 6 de julho de 1934, oficializou a criação do INE, marcando o primeiro passo para o estabelecimento do IBGE.

Anúncios

O nascimento do IBGE

O órgão foi fundado oficialmente em 29 de maio de 1936. No mesmo ano, o INE incorporou o Conselho Nacional de Estatística (CNE) e a Convenção Nacional de Estatística. Desse modo, foi formado o IBGE.

Conforme estabelecido em 1938 pelo Decreto-Lei 218, ele consistia em dois órgãos autônomos. Eram eles o CNE e o Conselho Nacional de Geografia (CNG), antes conhecido como Conselho Brasileiro de Geografia (CBG). 

Desde a sua fundação, o IBGE é responsável pela coleta e análise de dados, além de ter conduzido o primeiro Censo Demográfico da população brasileira em 1940. Além disso, o instituto realizou o mapeamento do território nacional e o estabelecimento do Sistema Geodésico Brasileiro (SGB).

Ele também criou a proposta de divisões regionais e fitogeográficas do país, entre outros projetos relevantes. Assim, o IBGE evoluiu ao longo dos anos, sendo uma instituição central para a coleta e análise de dados estatísticos.

O órgão desempenha um papel vital na administração e no desenvolvimento do Brasil. Ao mesmo tempo, ele continua cumprindo a sua missão de identificar, analisar e informar sobre aspectos geográficos, demográficos e econômicos.

Como funciona o Censo do IBGE?

Entendida a história por trás do IBGE, vale saber como funciona um dos trabalhos mais significativos do instituto. O Censo Demográfico consiste em um modelo de pesquisa qualitativa e quantitativa responsável por coletar informações abrangentes sobre os habitantes do país. 

O objetivo principal é traçar um perfil detalhado da população. Ele fornece informações para estudos nas áreas de demografia, economia e sociedade, bem como para o desenvolvimento de políticas públicas. 

Para tanto, o Censo é conduzido em escala nacional e feito a cada 10 anos. Ele consiste em questionários aplicados por entrevistadores treinados. São abrangidas diferentes informações, como idade, sexo e naturalidade, entre outras características demográficas, econômicas e sociais. 

De modo geral, esses dados são fundamentais para compreender a dinâmica da população. Como resultado, eles são a base para muitas pesquisas em áreas como saúde e educação. 

Além de apresentar uma visão aprofundada da sociedade, o Censo permite obter uma avaliação completa do cenário populacional local. Portanto, ele é importante para a elaboração de programas e projetos específicos voltados para o povo. Tudo isso faz da pesquisa uma ferramenta para a construção de políticas públicas em diversas áreas da sociedade.

Mas vale ressaltar que as respostas são mantidas sob sigilo estrito, certo? As informações coletadas durante o Censo são usadas exclusivamente para fins estatísticos — garantindo sua confidencialidade e a privacidade das pessoas.

Qual é a importância do IBGE?

Até aqui, você viu como o Censo do IBGE funciona. Compreenda agora o papel fundamental que o instituto desempenha na sociedade brasileira. Por meio do Censo realizado e da coleta de dados, o órgão cumpre diferentes funções. 

Veja mais detalhes!

Características da população

O Censo Demográfico visa contar a população brasileira, identificar as suas características e entender como vivem os cidadãos. Essas informações são vitais para o funcionamento da democracia representativa. Afinal, elas auxiliam na definição do número de representantes em órgãos legislativos, como deputados federais, estaduais e vereadores. 

Políticas públicas

Os dados coletados pelo IBGE são necessários para o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas em diversas áreas. Entre elas, estão saúde, educação, habitação, transporte, energia e programas sociais. 

O conhecimento detalhado da população e das suas necessidades permite que o Governo ajuste as políticas para enfrentar desafios como pandemias. Isso garante que as políticas de recuperação pós-pandemia atendam às demandas reais da sociedade. 

Recursos e orçamentos públicos

As informações demográficas coletadas pelo IBGE também influenciam a distribuição das transferências da União para estados e municípios. Então elas têm impacto nos orçamentos públicos. 

Esse processo inclui a alocação de recursos para a administração de programas sociais e a identificação de áreas prioritárias de investimento em diversos setores. Entre eles, estão saúde, educação e infraestrutura. 

Quais são as principais informações do Censo?

Como você viu, o Censo consiste em uma pesquisa abrangente que coleta dados sobre a população brasileira para compreender as características socioeconômicas do país. Algumas das principais informações coletadas são:

  • contagem populacional: o Censo conta o número total de habitantes no país;
  • características demográficas: a pesquisa também coleta dados como idade, sexo, estado civil, nascimento, migração e naturalidade. Isso ajuda a compreender a estrutura etária da população e os movimentos migratórios;
  • educação: informações sobre níveis de aprendizado, alfabetização e frequência escolar são coletadas para avaliar o acesso à educação e as taxas de escolaridade;
  • trabalho e emprego: dados sobre ocupação, renda, desemprego e força de trabalho ajudam a entender a situação econômica da população;
  • moradia e habitação: o Censo reúne informações sobre o tipo de moradia e as condições de habitação. Isso inclui a disponibilidade de serviços básicos como água potável e saneamento, bem como o número de residências e cômodos. 

Quais são os principais dados do Censo do IBGE para o mercado imobiliário?

Após conhecer as principais características do IBGE, chegou o momento de ficar por dentro de alguns dados do Censo para o mercado imobiliário. A pesquisa realizada em 2022, trouxe diversas informações úteis para o setor.

Confira, abaixo, os principais resultados!

Aumento do crescimento das cidades de médio porte

Conforme o Censo 2022, as cidades de médio porte tiveram um crescimento populacional significativo, com um aumento médio de 10,95% desde 2010 — quando ocorreu a pesquisa anterior. Isso mostra oportunidades de investimento no mercado imobiliário em infraestrutura urbana, habitação e empreendimentos comerciais nesses lugares. 

Ainda, o aumento da densidade populacional aponta para uma demanda crescente de imóveis. O movimento ocorre especialmente em locais com maior qualidade de vida e que atraem pessoas que buscam morar em cidades menores. 

Mudança na composição familiar

O Censo 2022 revelou uma diminuição na média de moradores por residência, passando de 3,31 para 2,79. Assim, os números indicam uma tendência crescente de domicílios compostos por uma ou duas pessoas. 

Essa mudança na estrutura familiar pode gerar uma demanda por imóveis menores, como apartamentos de um quarto, principalmente em centros urbanos. Ademais, jovens que optam por morar sozinhos também representam uma tendência no mercado imobiliário. 

Crescimento do número de residências

Embora a população brasileira tenha crescido a uma taxa menor, o número de residências aumentou em mais de 34%. Isso sugere que as famílias têm se fragmentado em imóveis diferentes, refletindo a maior busca por lares de tamanho reduzido.

Esses dados são muito relevantes para o mercado imobiliário, sabia? Na prática, eles podem influenciar a oferta de imóveis menores e a necessidade de se adaptar a uma dinâmica de famílias que decidem morar em diferentes propriedades. 

Crescimento fora das capitais

O Censo 2022 também destacou um crescimento maior fora das capitais estaduais, que historicamente eram consideradas o epicentro do mercado imobiliário. O fenômeno evidencia a mobilidade de pessoas em direção a cidades menores.

Dessa maneira, há um incentivo para o mercado se adaptar à mudança. Além disso, a migração para centros menores representa boas oportunidades de investimento em habitação e infraestrutura fora das grandes metrópoles. 

Envelhecimento da população

A idade média das pessoas é um fator importante para o setor imobiliário, pois influencia o planejamento de empreendimentos e serviços. Com o crescente envelhecimento da população, é preciso estruturar de forma adequada o planejamento, adaptando os imóveis às necessidades dessa faixa etária. 

Também é crucial capacitar os profissionais imobiliários para atender a uma sociedade mais idosa. Portanto, a constante atualização sobre as tendências demográficas e as preferências de moradia dessa geração se torna um diferencial no mercado.

Qual é a importância dos dados do IBGE para o mercado imobiliário?

Como visto, o Censo realizado pelo IBGE apresenta diversas informações relevantes que podem ser utilizadas pelo mercado imobiliário. Elas o auxiliam a se adaptar às tendências de habitação da população brasileira.

Entenda, com mais detalhes, a importância desses dados para o setor!

Demanda habitacional

Os números do Censo permitem entender o crescimento populacional em diferentes regiões do Brasil. Essa informação é fundamental para identificar áreas com uma demanda habitacional em crescimento. 

Logo, o mercado imobiliário pode usar esses dados para direcionar investimentos. Dessa maneira, é possível desenvolver projetos nas regiões em que o número de habitantes está aumentando, antecipando a necessidade por mais residências. 

Composição familiar

A análise da composição familiar, incluindo mudanças na sua estrutura e a média de moradores por domicílio, tem impacto direto na preferência por tipos de imóveis. Por exemplo, a diminuição da média de pessoas por residência pode indicar uma demanda por apartamentos menores, como você viu. 

Compreender isso permite uma resposta mais eficiente às mudanças nos padrões de moradia. Como consequência, essas informações ajudam o mercado imobiliário a oferecer casas e apartamentos que atendam às necessidades da população. 

Migrações

As migrações internas também influenciam o segmento. Quando o Censo revela movimentos populacionais em algumas regiões, esse setor pode se ajustar para atender à demanda.

Isso possibilita investir em áreas com um aumento significativo de pessoas, estimulando o desenvolvimento de infraestrutura e habitação. Ainda, os dados do Censo apresentam a realidade sociodemográfica do país, que influencia outros aspectos do mercado imobiliário. 

É essencial compreender as tendências demográficas, as preferências da população e os movimentos migratórios. Afinal, esse entendimento possibilita ao setor se adaptar, planejar e tomar melhores decisões para atender às necessidades em constante evolução dos brasileiros. Neste post, você viu o que é o IBGE e qual é a importância desse órgão para o segmento imobiliário. Com os dados fornecidos, é possível compreender as demandas da população e investir em imóveis que possam atender às necessidades dos moradores.

Bateu aquela dúvida na matéria que você leu? Deixe nos comentários que o Time Loft responde!

Tags

Deixe seu comentário

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.