O que é amortização, quais os tipos e como calcular?

Compartilhar a notícia

Você sabe o que é amortização? Entenda como esse processo funciona, quais são os seus principais tipos e como amortizar as suas dívidas!

04 de dezembro de 2023

Autor Time Loft
Atualizado: 04 de dezembro de 2023 12 min de leitura
O que é amortização, quais os tipos e como calcular

Ao buscar um financiamento para adquirir um imóvel, por exemplo, muitas pessoas preferem tomar crédito no mercado. Contudo, o pagamento da dívida pode causar dúvidas, principalmente em relação ao conceito de amortização.

O termo é muito comum no mercado de crédito, pois ele desempenha um papel importante no processo de pagamento das parcelas. Além disso, existem diferentes tipos de amortização e cada um é voltado para variados perfis de pessoas.

Se você quer saber o que é amortização e como ela funciona, este post é para você. Acompanhe a leitura e descubra também como amortizar as dívidas!

O que é amortização?

Uma das principais linhas de crédito disponíveis no mercado é o financiamento. Seja para comprar um carro ou adquirir a casa própria, essa modalidade serve para realizar esses e outros sonhos.

A amortização é o processo envolvendo a redução do montante devido por meio do pagamento das prestações. Então ela reduz a dívida de modo gradual. Assim, ela envolve a divisão do valor total do débito em parcelas menores, pagas regularmente.

Quando você assume os custos regulares das prestações, ocorre a amortização da dívida por conta da redução do saldo devedor ao longo do contrato. No entanto, o termo também é usado para se referir a pagamentos superiores a fim de reduzir os juros da sua dívida com a instituição financeira.

Quando você antecipa o pagamento das prestações, por exemplo, está amortizando a dívida. Essa decisão pode até diminuir o impacto dos juros no seu planejamento financeiro, diminuindo o valor devido. A amortização também pode reduzir o total de parcelas devidas, agilizando a quitação do crédito. 

Quais são os tipos de amortização?

Após compreender o conceito, é preciso entender que os contratos de empréstimo e financiamento podem ter diferentes regras em relação à forma de amortizar a dívida. Por esse motivo, é comum ter dúvidas sobre os diferentes tipos de amortização que existem.

Logo, é fundamental compreendê-las para que você consiga tomar decisões mais acertadas ao definir a melhor metodologia para o seu planejamento financeiro. 

Confira as principais alternativas que podem ser utilizadas na contratação!

Anúncios

Tabela Price

A Tabela Price é um dos sistemas de amortização mais comuns usados em empréstimos e financiamentos. Também chamado de Sistema de Amortização Francês, o valor total da prestação permanece constante durante o período do contrato.

Isso significa que cada prestação mensal tem o mesmo valor, tornando os pagamentos previsíveis para o devedor. Contudo, a composição da prestação varia ao longo do tempo.

A prestação da Tabela Price é dividida em duas partes:

  • amortização: é a parte destinada a reduzir o saldo devedor. À medida que o tempo passa, a parcela de amortização aumenta, contribuindo para essa redução;
  • juros: a outra parte da prestação é destinada ao pagamento dos juros sobre o saldo devedor restante. No início do contrato, a maior parte da prestação é utilizada para o pagamento de juros.

A Tabela Price é escolhida por muitos devedores por conta da previsibilidade dos pagamentos mensais, o que facilita o planejamento financeiro. Entretanto, o pagamento da amortização pode ser menor, seu saldo devedor pode não mudar tanto no começo. 

Ao final, o uso da tabela faz com que o crédito tenha um custo maior, com juros totais mais elevados em comparação com outras metodologias.

Sistema de amortização constante (SAC)

O método SAC ou sistema de amortização constante é outra maneira de realizar o pagamento de financiamentos e empréstimos. Ao contrário da Tabela Price, a parcela de amortização é constante durante todo o período do contrato.

Logo, a parte do pagamento destinada a reduzir o saldo devedor é a mesma em cada prestação. Ainda, no SAC, a parte de juros varia a cada prestação. Inicialmente, ela é maior, pois é calculada com base no saldo devedor original.

Com a redução do saldo devedor por conta das prestações de amortização constantes, a parte de juros diminui ao longo do tempo. Essa alternativa pode ser atrativa para quem planeja quitar a dívida antes do prazo final, o que resulta em um pagamento total de juros menor.

Sistema de amortização misto (SAM)

Por outro lado, o sistema de amortização misto (SAM) é um método que combina características do SAC e da Tabela Price. O seu objetivo é oferecer uma solução intermediária que pode ser adequada para determinadas situações financeiras.

A ideia desse tipo de amortização é proporcionar um cronograma de pagamento que combine a estabilidade das prestações da Tabela Price com a redução do saldo devedor do SAC.

Nesse caso, a parte da prestação destinada à amortização tende a diminuir com o tempo. Isso significa que você pagará uma quantia maior da dívida principal já no começo do contrato.

As prestações mensais ou periódicas no SAM também tendem a permanecer mais estáveis ao longo do contrato em comparação com o SAC. Por fim, a parte dos juros pode mudar em cada prestação, mas ela costuma ser calculada com base no saldo devedor atual.

Como funciona a amortização no financiamento de imóveis?

Agora que você já sabe quais são os principais tipos de amortização, vale a pena entender como funciona essa alternativa no financiamento de imóveis. De modo geral, ela segue os mesmos princípios gerais dos sistemas de amortização.

Ao contratar essa modalidade, você terá acesso ao crédito concedido pelo banco ou instituição financeira para adquirir o imóvel. Entre as questões a definir, pode haver a chance de escolher o sistema de amortização das parcelas. Como você viu, existem três alternativas: Tabela Price, SAC e SAM, cada uma com suas regras e características. 

Na prática, você deve fazer pagamentos mensais regulares conforme o cronograma estabelecido no contrato. Essas prestações são utilizadas para pagar parte do saldo devedor (amortização) e os juros acumulados na dívida. Esse processo é de longo prazo e exige um bom planejamento financeiro.

Contudo, a amortização também pode ser feita pelo próprio contratante do financiamento. Isso acontece porque o pagamento das parcelas em dia conta como amortização, além de ser possível adiantar parcelas futuras. 

Portanto, antes de assumir um financiamento imobiliário, é essencial entender os termos do contrato e como as prestações serão calculadas. Assim, você ficará mais confortável com as obrigações financeiras associadas à compra de um imóvel.

Como escolher o sistema de amortização?

A escolha do melhor sistema de amortização é uma decisão relevante, pois ela afetará a maneira como você pagará a dívida ao longo do tempo. Para isso, é necessário considerar algumas dicas que fazem a diferença.

Veja quais são elas!

Conheça os sistemas de amortização

Para começar, é fundamental se familiarizar com os sistemas de amortização mais comuns, como Tabela Price, SAC e SAM. Cada um deles apresenta características e impactos financeiros específicos, que devem ser contemplados para a sua situação.

Considere o seu perfil financeiro

Avalie também a sua situação financeira atual e futura. Alguns questionamentos devem ser feitos para guiar sua decisão, como qual é a sua renda mensal, qual sistema impacta menos no bolso e qual é o prazo de pagamento da dívida.

Analise os termos do contrato

Leia atentamente os termos e condições do contrato de financiamento. Verifique também se a instituição financeira oferece diferentes sistemas de amortização e quais são as taxas de juros associadas.

Avalie o custo total

Também é necessário calcular o custo efetivo total (CET) do financiamento ao longo do prazo do contrato para cada sistema de amortização. Isso inclui a soma de todas as prestações e juros, verificando qual sistema resulta no melhor custo-benefício. 

Para facilitar o processo de avaliação, as instituições financeiras devem fornecer o detalhamento do financiamento, incluindo o CET.

Quais são as vantagens de amortizar um financiamento?

Você já entendeu que a amortização é uma forma de adiantar o pagamento de um financiamento ou empréstimo. Mas quais são as vantagens desse processo? Confira alguns dos benefícios que você obtém ao amortizar sua dívida!

Abatimento dos juros

Uma das vantagens de efetuar a amortização do financiamento está relacionada à redução dos encargos financeiros. Em especial, ocorre uma redução nos juros remuneratórios pagos à instituição financeira.

Como os juros são calculados com base no montante total da dívida, realizar pagamentos antecipados diminui a base de cálculo sobre a qual a taxa incide. Isso ocorre porque eles passam a incidir sobre um valor menor, resultando em uma redução proporcional desses encargos.

Redução do prazo de quitação

Outra vantagem da amortização é a diminuição do prazo total do contrato até a quitação. Em muitos casos, os financiamentos podem se estender por até 35 anos ou 420 meses de pagamentos.

Por consequência, o encargo dura um período prolongado e deve ser considerado no planejamento financeiro da sua família. Por conta de o imóvel financiado ser usado como garantia em uma alienação fiduciária, você não se torna o proprietário do bem até que as parcelas sejam quitadas.

Portanto, a antecipação dos pagamentos pode ser vantajosa para fortalecer o seu patrimônio de forma mais segura. Por meio da amortização, você realizará pagamentos adiantados, diminuindo o prazo total de pagamento à instituição financeira e acelerando o processo de registro do imóvel em seu nome.

Diminuição do valor devido

Por último, vale ressaltar que a redução do valor devido é mais uma vantagem obtida com a amortização. Isso ocorre tanto pela diminuição de juros devido à quitação antecipada do saldo devedor, gerando mais economia.

Esses benefícios proporcionam um alívio financeiro ao comprador e a oportunidade de planejar com mais segurança outras metas financeiras.

Como calcular a amortização?

O cálculo da amortização depende de diferentes fatores, como valor total da dívida, tipo de contrato, taxas de juros, sistema de amortização escolhido, prazo de pagamento, entre outros. Logo, esse tipo de cálculo é muito complexo e, por isso, é necessário entrar em contato com a instituição financeira.

Outra boa notícia é que as instituições costumam disponibilizar calculadoras em seus aplicativos para que você possa simular quantas parcelas é possível adiantar. Na internet, também há planilhas de SAC e Tabela Price, em que você pode adicionar o valor da dívida, o dia de vencimento do boleto, o número de parcelas e os juros.

Nesses simuladores, você deve indicar qual valor deseja amortizar em determinado mês. Após essa fase, será preciso optar se você quer reduzir o número de parcelas ou o valor das parcelas futuras.

Ao final, a ferramenta indicará a quantidade de parcelas que o valor consegue abater. É possível repetir o processo sempre que você quiser realizar uma nova amortização.

Como fazer a amortização de dívidas?

Como você aprendeu, a amortização em um financiamento envolve a redução gradual do valor que você deve à instituição financeira. Além de realizar os pagamentos regulares, essa alternativa pode ser usada para acelerar o processo de quitação da dívida.

Isso oferece a possibilidade de encerrar o pagamento antes da data prevista no contrato original do financiamento. Ainda, ao quitar o saldo devedor mais rapidamente, os juros podem impactar menos o seu planejamento financeiro.

Para fazer a amortização de dívidas, é fundamental realizar uma negociação direta com a instituição financeira. É necessário que você comunique o seu interesse em acelerar o pagamento e, em conjunto, encontrar formas de realizar a antecipação.

No caso de um financiamento imobiliário, por exemplo, você pode usar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para amortizar a dívida, desde que cumpra os requisitos. Assim, há como acelerar o pagamento sem impactar significativamente o seu planejamento financeiro.

Para verificar se a antecipação do pagamento é vantajosa, analise as condições oferecidas pela instituição financeira. Dessa forma, você poderá avaliar os termos atuais e estabelecer a melhor alternativa para as suas finanças pessoais.

Uma forma de realizar a amortização com frequência é utilizar os recursos extras que entram no seu orçamento, como o 13º salário, para essa função. Ao direcionar esses valores, você diminui cada vez mais o saldo devedor, o que o ajudará a se aproximar do encerramento da sua dívida.

Entendeu o que é amortização, quais são os seus tipos e como essa metodologia funciona? Agora você tem uma visão mais ampla do processo, sabendo o que é necessário para escolher a alternativa mais vantajosa e avaliar a possibilidade de adiantar os pagamentos.

Gostou de aprender sobre amortização e quer aprofundar os seus conhecimentos? Então saiba como calcular os juros de um financiamento imobiliário!

Bateu aquela dúvida na matéria que você leu? Deixe nos comentários que o Time Loft responde!

Tags

Deixe seu comentário

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.