Taxa de financiamento imobiliário: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Compartilhar a notícia

A taxa de financiamento imobiliário afeta o poder de compra e o compromisso financeiro ao adquirir um imóvel. Veja as principais informações sobre ela!

27 de fevereiro de 2024

Autor Time Loft
Atualizado: 08 de fevereiro de 2024 17 min de leitura
Taxa de financiamento imobiliário_ tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Você está considerando comprar um imóvel e quer se preparar para as conversas com bancos e instituições financeiras? Adquirir um lugar para viver pode ser uma jornada desafiadora — e a taxa de financiamento imobiliário se destaca como um elemento decisivo no processo.

Ela influenciará a sua capacidade de compra e o seu compromisso financeiro a longo prazo. Por isso, este artigo visa esclarecer as nuances dessa taxa e proporcionar um entendimento claro de como ela afeta um financiamento.

Continue a leitura para explorar em detalhes os aspectos que envolvem a taxa de financiamento imobiliário!

O que é taxa de financiamento imobiliário?

A taxa de financiamento imobiliário são os juros, ou seja, o termômetro que mede o custo do dinheiro emprestado para a aquisição de um imóvel. Afinal, quando uma instituição financeira concede um crédito para que você realize a compra da sua residência, ela não faz isso gratuitamente, certo?

Embutido no empréstimo está um preço a ser pago pela utilização desse dinheiro. Então a taxa é expressa como um percentual que incidirá sobre o total emprestado. Ainda, ela costuma ser acumulativa ao longo do período de pagamento das parcelas do financiamento.

Essa taxa é determinante no cálculo das prestações mensais que você pagará ao banco e no custo total do imóvel. Ela costuma variar conforme as políticas da instituição financeira, as condições econômicas do país e o seu perfil como cliente.

Diferentes bancos podem oferecer taxas distintas, e cada uma delas aplicará suas próprias fórmulas de cálculo. Eles consideram fatores como risco de crédito, prazo do financiamento e o índice de referência adotado para o reajuste das parcelas.

Portanto, em termos práticos, a taxa de financiamento é o que permite transformar o sonho da casa própria em realidade. Compreendendo como ela é aplicada e o que a influencia, você terá a chance de se organizar para buscar as condições de empréstimo mais adequadas para seu caso.

Quais os tipos de taxa de financiamento?

Entendida a natureza da taxa de financiamento imobiliário, vale saber que ela se manifesta sob diferentes formas. Cada uma delas tem suas características e impactos no processo. 

Veja só!

Anúncios

Taxa fixa

A taxa fixa é a mais previsível no financiamento imobiliário. Ela é definida no contrato de empréstimo e não sofre alterações ao longo do período de financiamento, independentemente das flutuações econômicas ou da inflação.

Essa taxa é o percentual que determina o custo anual do seu crédito e representa uma opção mais segura para quem busca estabilidade nas suas obrigações financeiras futuras. Assim, é possível assegurar que as parcelas mensais permaneçam constantes do início ao fim do financiamento.

Taxa variável

Contrastando com a taxa fixa, as variáveis estão atreladas a indicadores econômicos, como a Taxa Referencial (TR), a taxa básica de juros da economia brasileira (Selic) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Logo, elas podem variar ao longo do tempo.

Esse tipo de taxa é mais adaptável às condições de mercado e costuma ser vantajosa especialmente nos períodos de baixa na Selic. Contudo, há possibilidade de aumento das parcelas se houver instabilidade econômica ou alta na inflação.

Qual a escolha da taxa mais adequada para seu financiamento?

A escolha entre uma taxa fixa e uma variável deve ser feita após uma análise cuidadosa. O estudo deve incluir as condições atuais do mercado, das projeções econômicas e da sua situação financeira pessoal.

Compreender as taxas em conjunto com a taxa real e a efetiva é essencial para tomar uma decisão bem-informada. Ela deve se alinhar aos seus objetivos financeiros e perfil de risco. Dessa forma, você poderá optar pela estratégia de financiamento que melhor se adapta às suas necessidades. 

Saiba mais sobre a taxa real e a efetiva!

Taxa real

A taxa real é um ajuste da taxa nominal que considera a inflação, refletindo o custo verdadeiro do financiamento em termos de poder de compra. O indicador é crucial para entender como o valor do dinheiro é capaz de mudar ao longo do tempo e afetar o total pago pelo empréstimo.

Taxa efetiva

Outra taxa aplicável é a efetiva, que considera a capitalização dos juros, incorporando os juros ao saldo devedor. Esse é um conceito importante, pois reflete o custo total do empréstimo após a aplicação dos juros. Logo, ela oferece uma perspectiva mais realista do montante que será pago ao longo do tempo.

Como funciona o pagamento das parcelas em financiamentos imobiliários?

Além do tipo de taxa escolhido, o sistema de amortização também tem papel fundamental no financiamento imobiliário. A amortização é o processo de pagamento gradual do capital emprestado.

Esse procedimento define como o saldo devedor do empréstimo será reduzido ao longo do tempo. Portanto, ele afeta de maneira direta o valor das parcelas e o custo total do financiamento. 

Assim, a escolha do sistema de amortização deve considerar seu perfil financeiro, suas expectativas de renda futura e sua preferência por parcelas fixas ou decrescentes. Em conjunto com a taxa de juros, cada sistema tem implicações diferentes sobre o custo total do financiamento.

Entenda os diferentes sistemas!

Tabela Price

Em um financiamento, as parcelas são compostas por uma parte que reduz o saldo devedor (amortização). A outra parte corresponde aos juros sobre o saldo devedor restante. A Tabela Price, ou sistema de amortização francês, caracteriza-se por parcelas iguais ao longo de todo o período do financiamento.

Nesse sistema, a composição das parcelas muda ao longo do tempo: no início, os juros representam uma parte maior da prestação, e a amortização é menor. Com o passar do tempo, a proporção se inverte, e a amortização passa a compor a maior parte da parcela.

A Tabela Price costuma ser utilizada em financiamentos imobiliários devido à previsibilidade e à facilidade de planejamento que ela oferece. Porém, essa opção costuma ter um custo efetivo maior.

Sistema de Amortização Constante (SAC)

No Sistema de Amortização Constante (SAC), como o nome explicita, o valor destinado à amortização se mantém. Como a parcela de juros é sempre aplicada sobre o saldo devedor, seu valor diminui com o tempo. Isso resulta em prestações decrescentes.

A alternativa tende a ser mais vantajosa para aqueles cuja renda pode diminuir com o passar dos anos. Ela também costuma ser útil para quem planeja quitar o financiamento antecipadamente ou prefere uma economia a longo prazo.

Sistema de Amortização Misto (SAM)

Conhecido como Sistema de Amortização Crescente (SACRE), o SAM é uma mistura dos métodos anteriores. Ele permite a estabilidade dos valores das prestações, como na Tabela Price. Ao mesmo tempo, o SAM proporciona a redução do saldo devedor e dos juros.

Quais fatores influenciam o cálculo da taxa de financiamento imobiliário?

Compreender os tipos de taxa de financiamento imobiliário e os diferentes métodos de amortização é apenas a superfície de um processo complexo. Aprofundando-se em como calcular a taxa de financiamento imobiliário, você descobrirá diversos fatores que influenciam o percentual aplicado ao seu contrato. 

Confira!

Taxa Selic

A taxa Selic é um dos principais indicadores econômicos do Brasil, influenciando diretamente as taxas de financiamento imobiliário. Se ela aumenta, os bancos, que costumam captar recursos com base no indicador, tendem a elevar os juros dos financiamentos.

Em contrapartida, uma Selic reduzida pode diminuir os custos de crédito, beneficiando quem busca financiar um imóvel. A taxa básica ainda serve como ferramenta para controlar a inflação, impactando a economia e, por extensão, o mercado imobiliário.

Por essa razão, entender sua oscilação é imprescindível para quem planeja adquirir um imóvel financiado. Isso porque momentos de queda na Selic tendem a oferecer condições mais vantajosas.

Score de crédito

O score de crédito atua como um termômetro da confiabilidade do solicitante aos olhos das instituições financeiras. O indicador sintetiza o histórico de pagamentos e a probabilidade de cumprimento das dívidas.

Um score elevado pode qualificar você para taxas de juros mais baixas, pois sinaliza menor risco de inadimplência. Por outro lado, um score baixo costuma aumentar as taxas de financiamento, uma vez que há possibilidade de o banco considerar o empréstimo mais arriscado.

Portanto, manter um bom score de crédito é essencial. Afinal, ele tem a capacidade de ajudar a acessar condições mais vantajosas de financiamento.

Mercado imobiliário e localização

O mercado imobiliário exerce uma influência notável sobre as taxas de financiamento. A localização de um imóvel é particularmente determinante, pois áreas com previsão de crescimento ou já estabelecidas com alta demanda costumam ter taxas de financiamento mais atraentes.

Isso ocorre porque as regiões são vistas como investimentos seguros — então o risco de desvalorização é menor e as expectativas de valorização são maiores. Desse modo, os credores veem os imóveis como garantias sólidas, sendo mais propensos a oferecer condições melhores a compradores interessados nessas localidades.

Estabilidade econômica

A saúde econômica de uma nação influencia as taxas de financiamento imobiliário. Em tempos de instabilidade, os credores podem aumentar os juros para mitigar os riscos da incerteza do mercado. Logo, períodos de maior cautela no setor financeiro tendem a tornar o crédito mais caro.

Em contraste, épocas de estabilidade econômica costumam ser acompanhadas por taxas de financiamento mais favoráveis. Nesses períodos, o risco de inadimplência é percebido como menor, e o ambiente econômico previsível encoraja o consumo, incluindo a compra de imóveis.

Políticas internas e regulamentações bancárias

As estratégias internas dos bancos e as diretrizes regulatórias do setor financeiro são outros fatores que determinam as taxas de financiamento imobiliário. Alterações nas exigências de reserva mínima que os bancos devem manter impactam o dinheiro disponível, afetando as taxas de juros ofertadas aos consumidores.

Legislações específicas do setor imobiliário também exercem influência, sendo capazes tanto de restringir quanto facilitar o acesso ao crédito. Adicionalmente, políticas fiscais como incentivos tributários podem ser implementadas pelo Governo, levando a uma oferta de financiamento com condições mais competitivas.

Dessa forma, a taxa de financiamento imobiliário é o resultado de um equilíbrio entre múltiplos fatores. Compreendê-los é importante para escolher o momento ideal para buscar crédito e para negociar as condições mais vantajosas.

Como essa taxa afeta os valores de imóveis?

Após entender os fatores que influenciam a taxa de financiamento imobiliário, vale refletir sobre como ela afeta o valor dos imóveis. Os juros determinam quanto você pagará a mais pelo empréstimo e a viabilidade financeira de adquirir determinado imóvel. 

Acompanhe!

O impacto imediato da taxa

Com uma taxa de juros mais alta, as prestações mensais aumentam. O resultado é uma elevação do custo total do imóvel, impactando o valor a ser pago até o fim do financiamento.

Esse efeito se manifesta de duas formas principais. Primeiramente, no curto prazo, pois uma taxa mais elevada tende a restringir seu poder de compra, limitando o valor do imóvel que você conseguirá financiar.

O efeito pode significar a necessidade de procurar por propriedades em faixas de preço inferiores. Ademais, há chance de comprometer uma parcela maior do orçamento mensal para acomodar as prestações do financiamento.

No longo prazo, as consequências costumam ser mais significativas. Isso porque uma taxa de financiamento mais alta adiciona uma quantia considerável ao custo total do imóvel.

O acréscimo pode se traduzir em mais anos pagando o financiamento e um valor final muito mais alto do que o preço de compra original do imóvel. Esse cenário costuma afetar o retorno sobre o investimento em propriedades, em especial se o objetivo for a revenda futura do bem.

Efeitos no mercado imobiliário

A taxa de financiamento também influencia o mercado imobiliário em sua totalidade. Taxas mais baixas tendem a aquecê-lo, incentivando a aquisição de imóveis. O estímulo pode aumentar a demanda, o que, em geral, eleva os preços.

Em contraste, taxas altas de financiamento costumam desacelerar as transações imobiliárias, pois os consumidores hesitam diante do custo adicional do crédito. Assim, o movimento pode causar um efeito de resfriamento no mercado.

Nesse caso, o ritmo de vendas diminui e há possibilidade de os preços estagnarem ou até mesmo caírem. Dessa maneira, eles se ajustam à nova realidade de acessibilidade financeira.

Como reduzir o impacto da taxa de financiamento imobiliário?

Até aqui, você viu o que influencia a taxa de financiamento imobiliário e como ela impacta o valor dos imóveis. Mas é crucial entender que as taxas de financiamento não são apenas números abstratos. Afinal, elas têm implicações reais na acessibilidade e no custo de vida.

A escolha de um financiamento com taxas competitivas pode resultar em economia de milhares de reais ao longo dos anos. Isso afeta a saúde financeira individual e as decisões em relação ao patrimônio e planejamento financeiro a longo prazo.

Nesse sentido, torna-se essencial buscar maneiras de minimizar o impacto. Diminuir o peso dos juros tem a capacidade de transformar o financiamento de um fardo em um investimento mais acessível e racional. 

Veja algumas formas de obter crédito com taxas menores!

Pagamento de entrada robusta

Um dos métodos mais efetivos para obter uma menor taxa de financiamento imobiliário é aportar uma entrada significativa. Oferecer um valor substancial no momento da compra de um imóvel é uma estratégia financeiramente sábia para aliviar as taxas de financiamento.

Desse modo, o montante necessário para financiar é reduzido. Como consequência, a base de cálculo dos juros é menor. Com uma entrada maior, você enfrenta parcelas mensais mais baixas e pode melhorar sua posição de negociação, certo?

Além disso, os bancos costumam ver um investimento inicial robusto como sinal de comprometimento e estabilidade. Então a prática geralmente resulta em taxas de juros menores pela percepção de um risco reduzido. Portanto, economizar para uma entrada maior pode ser uma das medidas mais impactantes para um financiamento mais favorável.

Prazo reduzido de financiamento

Optar por um prazo de financiamento mais curto tende a ajudar a economizar nos juros totais. Ao acelerar o pagamento do principal, você liquida a dívida mais cedo e limita o período em que os juros podem se acumular.

A medida tende a representar uma economia significativa ao longo do tempo. No entanto, é importante reconhecer que a escolha resulta em parcelas mensais maiores. Diante disso, é fundamental calcular com cuidado a capacidade de pagamento mensal antes de se comprometer com essa opção, ok?

Ajustar o prazo do financiamento para equilibrar as prestações mensais pode ser a chave para evitar o comprometimento excessivo do orçamento e o risco de inadimplência. Ao mesmo tempo, você terá a chance de se beneficiar de um custo total de financiamento reduzido.

Negociação direta

Entrar em negociações diretas com o banco é uma estratégia para buscar condições de financiamento mais vantajosas. Um histórico de crédito sólido tende a ser um trunfo, pois sinaliza ao credor que você é confiável, com baixo risco de inadimplência.

Essa costuma ser uma excelente base para argumentação, reforçando a sua capacidade de honrar o financiamento e aumentando o seu poder de negociação. Ainda, estar munido de informações sobre as taxas de juros praticadas no mercado tende a fortalecer a sua posição.

Ademais, ao demonstrar conhecimento sobre as ofertas de outras instituições, você cria um ambiente de competição. Logo, é possível incentivar o seu banco a igualar ou superar as condições oferecidas por concorrentes.

A abordagem informada e estratégica é capaz de levar a negociações bem-sucedidas. O resultado pode ser taxas de financiamento que se alinham melhor com seus objetivos e sua situação financeira.

Portabilidade de crédito

A portabilidade de crédito é um recurso valioso que permite transferir seu financiamento para outra instituição que ofereça termos mais atraentes, você já ouviu falar? O processo pode ser uma via para obter taxas de juros reduzidas e melhorar as condições gerais do empréstimo.

O procedimento costuma demandar tempo e esforço para reunir a documentação necessária e passar por uma nova avaliação de crédito. Porém, o benefício potencial de longo prazo justifica a iniciativa.

Com a portabilidade, você tem a chance de renegociar os termos do seu financiamento. É possível adaptá-los às mudanças nas condições de mercado ou à sua situação financeira atual. Isso pode significar uma redução relevante no montante dos juros pagos ao longo do período do empréstimo.

Saiba que reduzir o impacto da taxa de financiamento imobiliário exige uma combinação de estratégias inteligentes e decisões financeiras prudentes. Um planejamento cuidadoso e a disposição para negociar podem fazer toda a diferença em sua jornada para adquirir um imóvel.

O que é o custo efetivo total?

Após estudar estratégias para diminuir o impacto da taxa de financiamento imobiliário, saiba que ele não é o único dado a ser considerado. O Custo Efetivo Total (CET) é um indicador que reflete o custo total do empréstimo.

Então ele não se limita aos juros, incluindo todos os encargos que incidem sobre a operação. Assim, o CET engloba taxas administrativas, seguros obrigatórios, tarifas de serviços, impostos, e outras despesas que surjam do financiamento.

As taxas administrativas podem abranger custos de processamento, análise de crédito e manutenção de conta. Já os seguros são exigências que asseguram a proteção do investimento para ambas as partes. Alguns exemplos são o de morte e invalidez e o de danos físicos ao imóvel. 

Embora não sejam incorporados à taxa de juros propriamente dita, esses custos adicionam uma camada significativa ao montante final do financiamento. Daí a importância do CET, que proporciona uma visão transparente e completa, permitindo a comparação justa entre diferentes propostas.

O conhecimento desse indicador é crucial para que você possa tomar uma decisão informada. Por vezes, uma taxa de juros atraente pode ser anunciada, mas o CET consegue revelar que o custo total é maior devido a outras despesas não tão evidentes.

Por outro lado, há possibilidade de um financiamento com juros um pouco mais altos ter um CET mais vantajoso se apresentar menos custos adicionais. Portanto, analisar o custo total permite escolher a opção de crédito que melhor se encaixa no seu orçamento e expectativas financeiras.

Um ponto de atenção: por lei, as instituições financeiras são obrigadas a informar o CET antes da contratação de qualquer serviço de crédito. A medida assegura a transparência e protege o consumidor de se comprometer com um financiamento sem ter clareza de todos os custos envolvidos.

Conclusão

Como visto, a taxa de financiamento imobiliário é um componente essencial a ser considerado por quem deseja comprar um imóvel. Ao compreender como ela funciona e o que a influencia, você estará mais preparado para negociar o crédito com mais confiança e controle.

Bateu aquela dúvida na matéria que você leu? Deixe nos comentários que o Time Loft responde!

Tags

Deixe seu comentário

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.