Saiba quais são os principais cuidados ao assinar um contrato de financiamento imobiliário

Compartilhar a notícia

Conhecer todos os passos para fazer essa transação é fundamental para evitar problemas no futuro

25 de julho de 2022

Atualizado: 25 de julho de 2022 17 min de leitura
cuidados contrato financiamento

Segundo estudos da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (ABECIP), o setor de crédito imobiliário atingiu o seu recorde histórico em 2021, quando o valor total de investimento chegou a R$ 255 bilhões e para o ano de 2022, está sendo projetado um novo recorde.

Com tantos recursos disponíveis, o mercado tem oferecido inúmeras modalidades de financiamento e existem cada vez mais instituições financeiras disponibilizando crédito. Mas para que o empréstimo seja um facilitador, é preciso ter muita atenção antes, durante e depois da assinatura do contrato de financiamento imobiliário.

Simulação de financiamento

O ponto de partida para quem deseja solicitar um financiamento é fazer uma pesquisa minuciosa. O mercado está repleto de opções que vão desde programas ligados ao Sistema de Financiamento Habitacional (SFH), gerido pela Caixa Econômica Federal, até a possibilidade de solicitação de crédito junto a imobiliárias e sem a participação de bancos, modalidade que costuma ser mais cara.

Por isso, é muito importante comparar e fazer simulações em diferentes instituições para fazer uma escolha que se adeque à sua realidade. Se você não tem tempo para ficar batendo perna de banco em banco, vale a pena contar com o auxílio de um consultor imobiliário ou de uma plataforma online de assessoria de crédito imobiliário, como a CrediHome by Loft.

Esses serviços buscam a melhor taxa de juros no mercado sem custo adicional. A CrediHome by Loft faz isso com tecnologia, oferecendo um cardápio de alternativas de crédito que ajudam o cliente a escolher e já chegar ao banco com toda a documentação resolvida para assinar o contrato de financiamento imobiliário sem sair de casa ou temer pela sua privacidade financeira.

É preciso lembrar, no entanto, que como os contratos de financiamento costumam ser longos, a assinatura é só o começo da jornada. Para que tudo corra bem até a hora da quitação do imóvel, é preciso estar atento a alguns cuidados que farão a diferença desde o primeiro momento.

Como escolher um financiamento?

De acordo com Rafael Costa, diretor de produtos financeiros da CrediHome by Loft, apesar das taxas de juros serem um índice importante a ser analisado, existem muitos outros pontos que merecem atenção.

“Na escolha do financiamento é fundamental observar o valor do CET, que é o custo efetivo total do empréstimo, para ter certeza do valor final a ser pago. Muitas vezes um financiamento pode apresentar taxas de juros menores, mas ter algum custo escondido em uma tarifa mensal ou de avaliação do bem que fazem com que o valor final aumente significativamente”, alerta.

No CET, além das taxas de juros, estão incluídas todas as taxas, tributos e seguros presentes nesse tipo de transação. Segundo Rafael, “além das taxas e do CET, é preciso observar os prazos, o modelo de amortização da dívida (Price ou SAC) e o indexador a ser utilizado (TR ou IPCA)”, orienta.

Indexador

Quando o assunto é indexador – o índice usado para o reajuste –, a dica é analisar se o contrato prevê alguma atualização para não ser surpreendido negativamente depois.


Se o indexador utilizado for, por exemplo, o IPCA, inicialmente o valor das parcelas pode ser mais baixo. Mas como esse índice está atrelado à inflação, em algum momento as prestações podem subir muito e inesperadamente, já que o IPCA oscila junto com a variação dos preços do mercado.


A Taxa Referencial (TR), a taxa é fixa e, via de regra, mantém o CET mais baixo. Em todo caso, é sempre válido simular diferentes indexadores para o seu caso concreto.

Seguro Obrigatório

Todo financiamento imobiliário tem a necessidade de um seguro obrigatório para o caso de o tomador de empréstimo parar de honrar o compromisso. É um seguro sobre o crédito concedido e não sobre o imóvel e varia de acordo com a instituição financeira.

Assim, é importante prestar atenção para o valor desse encargo e ver como ele se comporta dentro do seu CET. Comparar o valor do seguro obrigatório em diferentes bancos é sempre válido.

Tipo de Amortização

Antigamente, o mercado imobiliário só contava com a tabela SAC, mas hoje também tem a tabela Price que é mais estável. Na hora de escolher o financiamento, decidir entre uma e outra passa por entender como está o seu momento de vida.

Se por um lado, a tabela SAC tem valores decrescentes, por outro ela pode significar parcelas iniciais com valor mais elevado, o que pode elevar seu custo fixo em uma fase de nascimento de filho ou abertura de negócio, por exemplo.

Já a tabela Price pode representar a possibilidade de começar com parcelas menores e, consequentemente, até antecipar os pagamentos. Também através dela é possível financiar um valor total mais alto do que pela SAC. Então, ao simular o financiamento é importante desenhar todos os cenários possíveis dentro do seu horizonte financeiro.

Forma de pagamento

Alguns contratos de financiamento imobiliário prevêem uma forma de pagamento específica como condição para a concessão de determinadas taxas ou descontos. Se o financiamento condiciona a incidência de um desconto para pagamento antes da data do vencimento, por exemplo, é fundamental se organizar financeiramente desde antes da assinatura para não ver o valor da parcela ser alterado de repente.

Uma vez escolhido o financiamento e definidas todas as informações relacionadas ao pagamento do crédito, como prazo, indexador, modelo de amortização, seguro, forma de pagamento, valor do imóvel, das parcelas, da entrada e CET, é hora de solicitar o crédito.

O que é preciso fazer para solicitar um crédito imobiliário?

Depois de escolher a modalidade do financiamento, o próximo passo é fazer a solicitação junto à instituição credora. Para ter o financiamento aprovado, é preciso cumprir alguns requisitos básicos como ter maioridade civil e comprovar que possui uma renda capaz de arcar com o pagamento das parcelas.

Outro ponto importante para ter o crédito aprovado é que o valor das parcelas não ultrapasse mais de 30% da renda familiar do comprador. Essa medida busca minimizar o risco de inadimplência, já que o comprometimento da renda com valores acima do proposto costumam afetar a saúde financeira do comprador e dificultar a quitação da dívida.

Além de cumprir com essas condições, é preciso apresentar uma série de documentos para que a instituição financeira possa iniciar a análise do crédito:

  • Carteira de identidade;
  • CPF;
  • Declaração de Imposto de Renda;
  • Extrato do FGTS;
  • Comprovante de endereço;
  • Última emissão do contracheque.

Para ganhar tempo durante essa etapa, providenciar esses documentos com antecedência é imprescindível.

Prestar atenção em detalhes do contrato ajuda a prevenir dores de cabeça antes, durante e depois do financiamento imobiliário. Foto: Luis Gomes

Quanto tempo leva até ter um crédito aprovado?

O tempo da solicitação do crédito até a assinatura do contrato varia de acordo com a complexidade da operação. Quando os compradores já possuem um crédito pré-aprovado e estão com os documentos em mãos, o tempo para aprovação fica entre duas e três semanas.

Rafael Costa aponta que existem alguns aspectos que podem atrasar esse processo, mas que é possível prevê-los. O primeiro deles é se o financiamento contar com recursos do FGTS. Nesses casos, é preciso preencher formulários adicionais e as instituições financeiras têm que fazer procedimentos extras, por exigência da Caixa Econômica Federal. Isso acrescenta cerca de cinco dias na operação.

Outro fator que costuma prolongar o tempo de aprovação tem relação com o interveniente quitante. Esse nome complicado indica que o imóvel que está sendo adquirido já está financiado ou serviu como garantia em um empréstimo que ainda não foi pago.

Nesses casos, a instituição financeira tem que quitar a dívida anterior e só então começar o novo financiamento imobiliário. Esse processo pode demorar um pouco mais porque é preciso que sejam feitas a troca do saldo devedor e os acertos do pagamento. Por isso, se o imóvel vendido ainda está atrelado a alguma dívida, o processo pode demorar até duas semanas a mais.

Rafael destaca que é possível agilizar o processo.

"É importante mandar a documentação completa com cópias legíveis dos documentos e com os formulários preenchidos sem rasuras. Caso a documentação esteja incompleta ou com problemas no preenchimento, a instituição irá solicitar um novo envio, e a solicitação volta ao fim da fila de análise, sendo necessário recomeçar tudo”, conclui.

Também nessa fase há uma avaliação do imóvel, para conferir o valor e outros aspectos técnicos e, por fim, a análise jurídica com a verificação dos documentos e formulários enviados à instituição.

Documentação

Toda transação imobiliária envolve documentos do comprador, do vendedor e do próprio imóvel. Pode até parecer trivial, mas conferir todos os dados ajuda a evitar perda de tempo e frustrações.

Verifique e confirme todas as informações como nome – atenção para as grafias –, endereço e números como RG e CPF. Vale ter um olhar especial para o estado civil de ambas as partes, pois a depender do regime de bens do casamento ou união estável, é preciso de uma autorização do cônjuge para a realização do negócio.

Também é importante observar se o vendedor tem alguma dívida decorrente de execução em seu nome, o que vincula o imóvel para a quitação. Nesses casos, é comum o banco recusar já na fase de assinatura e o processo voltar à estaca zero.

Em alguns casos, informações com erros podem levar a uma necessidade de ajuste do contrato, o que pode implicar em um novo pedido de financiamento, que pode até mesmo ser negado.

Caso o financiamento seja aprovado com dados errados, o contrato pode até ser invalidado posteriormente, gerando uma dor de cabeça ainda maior porque já pode ter envolvido mudança e até mesmo reformas.

Documentos do imóvel

Por melhor que pareça um imóvel, se ele estiver irregular dificilmente o financiamento será aprovado pelo banco. As irregularidades podem dizer respeito à estrutura ou à escritura, mas nos dois casos devem constar nos documentos desde o início da transação e é dever das partes atentar para elas.

Os dados do imóvel – como tamanho e localização – precisam estar obrigatoriamente no contrato de financiamento. Nele, também devem constar informações como o estado de conservação – se há a presença de infiltrações ou rachaduras, por exemplo –, detalhamento da mobília que permanecerá no imóvel, caso exista, a existência de garagens e a sua metragem.

É importante conferir todos esses itens e lembrar que sempre existe a possibilidade de correções no contrato antes da assinatura.

Além disso, devem ser verificados todos os documentos do imóvel para garantir a segurança jurídica da transação e evitar problemas na justiça que podem inclusive invalidar o processo de compra e venda. Os principais documentos a serem avaliados são:

  • recibo de quitação do IPTU;
  • recibos de pagamento das taxas de condomínio;
  • declarações negativas de débito
  • escritura;
  • número da matrícula;
  • registro em cartório.

Como ler o contrato de financiamento imobiliário?

Em geral, um contrato de financiamento começa com um descritivo das partes e do imóvel para só então entrar nos pormenores do pagamento até a quitação. Uma vez que a parte inicial esteja descrita corretamente no contrato, é chegada a hora de entender como aquilo tudo vai se realizar na prática.

No contrato de financiamento estão todas as informações essenciais sobre a negociação e, por isso mesmo, é preciso ler o documento com bastante atenção aos detalhes como valores, taxas, indexadores, prazos, parcelas e o que mais a instituição tiver concordado em oferecer como condição para a concessão do crédito.

Todos os pontos que foram negociados entre as partes devem constar no documento, já que acertos verbais não têm validade em caso de problemas com a Justiça.

O contrato de financiamento é o documento que valida e embasa todas essas informações e a negociação e por isso mesmo deve ser muito bem analisado antes de ser assinado. Muitas vezes nessa fase, o comprador se deixa trair pela ansiedade ou pela pressão externa e acaba ignorando detalhes importantes. Então, se possível, leve o contrato para casa e leia com o auxílio de um advogado.

É possível mudar os termos do contrato depois da assinatura?

Na prática, depois de assinado e com firma reconhecida, é muito difícil mudar os termos da compra e venda do imóvel. Por isso mesmo é tão importante fazer uma análise minuciosa do documento antes de assinar e exigir mudanças caso as condições oferecidas estejam em desacordo com as negociações prévias.

Rafael Costa explica que o contrato de financiamento também é uma escritura pública e a partir do momento que foi registrada em cartório, a transação está consumada. Ou seja, a instituição financeira já aceitou o imóvel como garantia e mudanças nos termos principais se tornam inviáveis.

Só é possível mudar alguns termos, como a data de vencimento da parcela e outros itens de menor impacto na transação, e realizar correções simples com um aditivo no contrato.

O que fazer depois da assinatura do contrato?

A assinatura do contrato de financiamento é uma etapa muito importante, mas não a última para ter o valor do empréstimo liberado pelas instituições financeiras.

Felipe Paz, que trabalha como correspondente bancário há dez anos, explica que o contrato de financiamento funciona como uma escritura pública e precisa ser levado ao Cartório de Registro onde o imóvel esteja matriculado, para registrar a venda pela pessoa que estava como proprietária e alienado pela instituição financeira que fez o financiamento.

O correspondente bancário Felipe Paz explica os cuidados que devem ser tomados após a assinatura do contrato. Foto: Divulgação

"Normalmente os contratos de financiamentos são gerados em quatro vias, ou seja, quatro cópias iguais. O banco fica com uma via de segurança assinada por todas as partes e entrega as outras vias para a realização do registro de contrato. No cartório, as três vias são registradas e, enquanto uma delas é arquivada no próprio cartório, as outras são devolvidas para a conclusão do processo. Uma via fica em posse do comprador e a outra precisa ser entregue no banco para a confirmação de que o contrato foi registrado em cartório”, esclarece.

Somente com o cumprimento dessa última etapa o valor do financiamento é liberado.

Custos extras

O correspondente faz questão de frisar que essa última etapa envolve custos para que seja realizada a transferência da propriedade do imóvel. Dentre eles estão a cobrança do Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), tributo municipal cobrado em qualquer transação entre imóveis e os valores variam de acordo com o município onde se encontra a casa ou apartamento. Em alguns lugares, este valor pode chegar até 5% do valor da compra.

Há também as taxas de cartório para realização do procedimento, que são estipuladas pela tabela de emolumentos, que todo ano é reajustada e está disponível no site do Tribunal de Justiça de cada Estado.

Além dos custos envolvidos com o registro, existem tarifas que as instituições financeiras cobram para a elaboração do contrato e que também merecem atenção por parte do comprador. Algumas propostas de financiamento podem contemplar essas taxas, incluindo o ITBI, no valor final, diluindo o pagamento no valor das parcelas. Mas cada instituição tem um critério para esse tipo de situação e esse procedimento costuma onerar ainda mais as prestações, sendo recomendado realizar o pagamento no momento do registro. Cumpridas todas essas etapas, o crédito é liberado e o comprador finalmente tem a posse do imóvel.

Formas de pagamento das parcelas

Com contrato assinado e chave na mão ainda podem existir problemas? Felipe explica que um ponto que deve ser observado com cuidado é a forma de pagamento das parcelas. Normalmente, pode ser feito por boleto ou débito automático em conta, mas algumas taxas estão vinculadas à forma de pagamento e, por isso, deve-se pagar sempre a partir do que foi estabelecido em contrato.

“Se a pessoa optar pelo débito em conta, o ideal é que ela deposite o dinheiro que vai ser debitado na data certa. Se a pessoa perdeu a data do depósito e não tinha dinheiro na conta naquele momento, pode depositar o dinheiro posteriormente para o pagamento, no entanto serão acrescidos os juros pelo atraso”, esclarece.

O comprador também pode optar por gerar um boleto para o pagamento da parcela atrasada, mas é preciso cuidado porque pode ocorrer um pagamento em duplicidade se o débito em conta continuar ativo. Se isso acontecer, é preciso solicitar ao banco o estorno do valor pago ou um abatimento na próxima parcela através de uma solicitação formal.

Revisão de financiamento imobiliário

O comprador não pode desistir de um contrato de financiamento depois de assinado. Mas se as parcelas ficaram pesadas, há formas de evitar a inadimplência.

Com o tempo fazer a portabilidade do financiamento, visando melhorar as condições de pagamento do crédito. O comprador deve procurar outra instituição financeira e submeter o seu contrato a uma análise de crédito. Para conseguir a portabilidade é preciso passar por todas as avaliações e entrega de documentos novamente, na medida em que um novo contrato será gerado.

Felipe explica que com a portabilidade é possível reduzir o tempo de pagamento e o valor das parcelas.
“Quem opta pela portabilidade visa diminuir os juros do financiamento e pagar parcelas mais suaves. Cada instituição possui uma política para esse tipo de procedimento e é preciso pesquisar para saber quais os requisitos necessários. Por exemplo, alguns bancos exigem 24 parcelas pagas e outros menos”, explica.

Felipe conta que muitos bancos, quando confrontados com uma proposta de portabilidade, oferecem uma revisão do financiamento imobiliário, com condições de pagamento melhores para tentar segurar o cliente.

Como podemos observar, realizar um financiamento exige planejamento e cuidado, até porque esse tipo de empréstimo leva alguns anos para ser quitado. É sempre bom, portanto, ouvir profissionais experientes como consultores e correspondentes bancários para indicar as melhores decisões. Afinal, tomando os cuidados o crédito imobiliário pode ser um grande facilitador na realização do sonho da casa própria.

Colaboração de Michele Louvores

Ficou com dúvida?

Aqui você encontra os conteúdos produzidos pelos colaboradores da Loft especialistas em economia, decoração, mercado imobiliário e estilo de vida. São profissionais altamente capacitados e com anos de experiência em produção de conteúdo para te ajudar nas suas principais dúvidas.

Deixe seu comentário

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade e, ao continuar navegando neste site, você declara estar ciente dessas condições.